busca no site


Autoconstrução sígnica de homens que se relacionam afetivo-sexualmente com homens: a mediação que envolve o afeminado no aplicativo Grindr

Resumo / Abstract

Ettore Stefani de Medeiros

resumo

O Grindr é um aplicativo de encontros afetivo-sexuais majoritariamente utilizado por homens, que investem em autoconstruções sígnicas em seus perfis a fim de atraírem possíveis parceiros. Emergem nestes perfis diferentes masculinidades, sobretudo marcadas pela fronteira entre o afeminado e o macho. Nosso objetivo é investigar a semiose que envolve a figura do afeminado no Grindr. Ancorados na semiótica peirciana, valemo-nos do conceito de mediação como operador analítico-metodológico, pensando de que modo a ação sígnica dos perfis desencadeia processos de significação ligados ao tipo de masculinidade em questão. Em nossa análise qualitativa de 9 perfis, notamos que o signo afeminado, em sua dimensão verbal e visual, é tido como frágil e passivo, alguém que não cuida de si e fracassa na gestão de sua virilidade. Contrariamente, esta figura também desperta outros interpretantes, menos recorrentes no aplicativo, em que a existência do afeminado é lida como contestadora, política, subversiva e livre.

Palavras-chave: Afeminado. Grindr. Mediação. Signo. Masculinidades.

 

abstract

Grindr is a gay datting and hook-up app, whose users invest in signic self-constructions profiles in order to attract potential partners. In these profiles, different masculinities emerge, from the effeminate gay to the macho guy. Our aim is to investigate the semiosis involving the effeminate figure in Grindr. Anchored in peircian semiotics, we use the concept of mediation as an analytical-methodological operator, thinking how the signic action of the profiles triggers processes of signification linked to the type of masculinity in question. In our 9 profiles qualitative analysis, we noticed that the effeminate sign, in its verbal and visual dimensions, is considered as fragile and bottom, someone who does not take care of himself and fails to manage his virility. This figure also awakens other interpretants, less recurrent in the app, in which the effeminate existence is understood as contentious, political, subversive and free.

Keywords: Effeminate. Grindr. Mediation. Sign. Masculinities.

Paper / PDF

Download PDF

Referências

Referências

BERGMAN, C. Peirce on interpretation and collateral experience. Signs, Dinamarca, v. 4, p. 134-161, 2010.

BONFANTE, G. Erótica dos signos em aplicativos de pegação: performances íntimo-espetaculares de si. Rio de Janeiro: Luminária Academia, 2016.

BORRILLO, D. Homofobia: história e crítica de um preconceito. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010.

COLAPIETRO, V. Ubiquitous mediation and critical interventions: reflections on the function of signs and purposes of Peirce ́s semeiotic. International Journal of signs and semiotics systems. vol 1, issue 2, 2011.

CONNELL, R; MESSERSCHMIDT, J. Masculinidade hegemônica: repensando o conceito. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 21, nº  1,  p. 241-82, 2013.

FONE, B. Homofobia: uma historia. México: Editorial Océano de Mexico, 2000.

MISKOLCI, R. “Discreto e fora do meio” – Notas sobre a visibilidade sexual contemporânea. Cadernos Pagu, Campinas, vol. 1, n. 44, p. 61-90, 2015.

PEIRCE, C. Semiótica. São Paulo: Editora Perspectiva, 2000.

______. The Collected Papers of Charles Sanders Peirce. In: DEELY, John. Peirce: CP Editorial Introduction to Electronic Edition. Past Masters Introduction, 1994.

PRECIADO, B. Manifesto Contrassexual. São Paulo: n-1 edições, 2014.

SANTAELLA, L; NÖTH, W. Comunicação e semiótica. São Paulo: Hacker, 2004.

WEEKS, J. Sexualidad. México: Paidós-UnaM- PUEG, 1998.

 

  • RSS
  • email
  • Digg
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Google Bookmarks
  • LinkedIn
  • MySpace
  • Netvibes
  • StumbleUpon
  • Tumblr
  • Twitter
 فروش فایل آگهی رایگان