busca no site


Avaliação da percepção dos usuários sobre o significado de selos e rótulos ambientais em embalagens

Resumo/Abstract

Leonardo Castillo

Carla Regina Pasa Gómez

Resumo

Motivados pela inquietação de que a rotulagem ambiental não está cumprindo com o seu objetivo de trazer ao usuário informações sobre materiais empregados na embalagens; procedimentos de descarte; origem das matérias-primas, etc., e apoiados no trabalho de tricotomias sígnicas da Gramática Especulativa de Pierce (1977), este artigo investiga a percepção de usuários sobre rotulagem ambiental. A coleta de dados se deu a partir da aplicação de um questionário com estudantes dos cursos de Administração e Design da Universidade Federal de Pernambuco para os quais foram apresentadas imagens de símbolos de rotulagem e selos verdes de uso frequente em embalagens. A escolha dos sujeitos foi por amostragem aleatória simples não estratificada. Os resultados indicam que os usuários reconhecem os símbolos e selos, no entanto não os conhecem, ou seja, já viram o selo/rótulo em algum momento mas não sabem explicar a sua finalidade. Reconhecem também que os selos podem transmitir informações ambientais, mas não necessariamente promovem efetivas transformações de comportamento, uma vez que a qualidade da informação não é suficiente, principalmente na clareza da informação que se quer transmitir.

Palavras-chave: Rotulagem ambiental. Percepção do usuário. Design para a sustentabilidade.

Abstract

Driven by unrest that environmental labeling is not fulfilling its goal of informing the user about the kind of materials used in packaging; disposal procedures; origin of raw materials, etc. and based on the trichotomies of signs described in Pierce’s Especulative Grammar (1977), this paper investigates the perception of users regarding environmental labeling. Data collection was carried out through questionnaires applied to students of Management and Design curses at the Federal University of Pernambuco for which were presented images of ecolabelling frequently used in packaging. Subjects were selected though not stratified random sampling. Results suggest that users recognize the labels, however they did not know the meaning. Further, they have seen seen those labels at some point but they cannot explain what are they communicating. The study also shows that users do not value eco-labels for their purchase decision, despite acknowledging that eco-labels can convey useful environmental information. In this way, information communicated through ecolabelling seems not being able to promote effective changes in user’s behavior since the quality of the information is not enough, or sometimes it is confusing regarding the information they wish to convey.

Keywords: Ecolabelling. User’s perception. Design for sustainability.

Paper / PDF

Download PDF

 

Bibliografia

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ABIPET. 2016. Décimo Censo da Reciclagem do PET no Brasil. Disponível em: [http://bit.ly/2J3sUtU]. Acesso em 19 fev. 2018.

ABIPLAST. Perfil 2016. Disponível em: [http://abiplast.org.br/site/publicações] Acesso em 24 jun. 2017.

ABAL. O Mapa Síntese da Rota Estratégica da Cadeia Brasileira do Alumínio 2030 [on-line] Disponível em [http://bit.ly/2J0aE4P] Acesso em 12 mar. 2018.

ABNT. Manual de Instruções de Uso da Marca ABNT 2015. Disponível em: [http://www.abntonline.com.br/sustentabilidade/] Acesso em 16 abr. 2018.

ABNT. Procedimento Geral da Marca ABNT Qualidade Ambiental 2018. Disponível em: [http://www.abntonline.com.br/sustentabilidade/] Acesso em:

17 abr. 2018.

BARRA. B. N. 2008. Rotulagem Ambiental: a validade dos critérios para a concessão do selo verde para produtos manufaturados de couro. In: Anais do IV Congresso Nacional de Excelência em Gestão. Niterói (RJ), 2008.

BUELOW, S., Lewis, H. Sonneveld, K. The Role of Labels in Directing Consumer Packaging Waste. Management of Environmental Quality: An International Journal. v. 1, n.2, 2010. pp. 198 – 213.

CARVALHO, J e Aragão, I. Infografia, Conceito e Prática. InfoDesign: Revista Brasileira de Design da Informação. São Paulo | v. 9 | n.3. 2012. pp. 160 – 177.

CASSISI, Luciano. 2011. mo definir el tipo marcario adecuado. Disponível em: [http://foroalfa.org/articulos/como-definir-el-tipo-marcario-adecuado]. Acesso em 10 abr.2018.

CEMPRE. 2013. A Rotulagem Ambiental Aplicada às Embalagens. Disponível em: [http://cempre.org.br/artigo-publicacao/artigos]. Acesso em 10 abr. 2018.

CHINEM, M J. e FLÓRIO, M. A. 2006 sinergia do design de embalagem na comunicação publicitária. UNIrevista - Vol. 1, n° 3, julho 2006.

COLTRO, L e DUARTE, L. C. Reciclagem de embalagens plásticas flexíveis: contribuição da identificação correta. Polímeros .vol. 23, no.1, São Carlos (SP): 2013.

GARCIA, J. A.; PRADO, J. C; GONZÁLEZ-PORTELA, G. A. T. Strategic Packaging Logistics: A case study from a supply chain perspective. Annals of Industrial Engineering. pp. 307-314, Springer, London, 2014.

HORN, Robert E. Visual Language: Global Communication for the 21st Century, Washington: Macro VU, Inc. 1998.

HUSSAIN, S. Salman. Green Consumerism and Ecolabelling: a strategic behavioural model. Journal of Agricultural Economics. Vol. 51, issu 1, 2008. pp. 77-89.

ILIC, M. et al. Analysis of self-declared environmental labels. RMZ Materials and Geoenvironmental. Vol. 56, n. 1, pp. 74 – 87, 2009

INSTITUTO AKATU e  INSTITUTO ETHOS. 2010. Responsabilidade Social das Empresas: Percepção dos Consumidores Brasileiros. Disponível em: [http://www.akatu.org.br/Publicacoes/Percepcao-do-Consumidor] Acesso em: 10 abr.2018.

ISO – International Standard Organization. Environmental Labelling and Declarations: How ISO standards help. ISO Central Secretariat, Geneve, 2012.

MEDIANEIRA, S. N. Análise da Influência dos Atributos da Embalagem no Ponto de Vista do Consumidor no Momento da Compra. Revista gestão & Planejamento. Salvador (BA), v. 13. n. 1, 2012. pp. 82-105.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Disponível em [http://www.mma.gov.br/cidades-sustentaveis/residuos-solidos/politica-nacional-de-residuos-solidos] Acesso em  20 ago. 2018.

NIEMEYER, L.  Elementos de Semiótica Aplicados ao Design. Rio de Janeiro: 2AB Editora, 2003.

PIERCE, Charles Sanders. Semiótica. São Paulo: Perspectiva, 1977.

SENA, T. K. de; ALMEIDA, E.C. de;  FRAZÃO, A. R. C.  NETO, J. F. C. Estratégias Discursivas nas Embalagens de Salgadinhos Elma Chips. Anais do XIV Congresso de Ciências da Comunicação na Região Nordeste. Intercom. Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, 2012.

TAVARES, C. FREIRE, I. M. Lugar do lixo é no lixo: estudo de assimilação da informação. Ciência da Informação. Brasília, v. 32, n. 2, 2003. p.125-135.

TWYMAN, M. Using pictorial language: a discussion of the dimensions. In: Dufty, Thomas M. & Waller, Robert (Ed.). Designing usable text. Orlando, Florida: Academic Press, 1985. pp. 245-312.

YOSHIHARA, F. G. e CASSIANO, C. M. A importância da embalagem na comunicação com o consumidor. Anais do XXXIII Congresso de Ciências da Comunicação na Região Nordeste. Intercom. Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, Caxias do Sul (RS), 2010.

 

  • RSS
  • email
  • Digg
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Google Bookmarks
  • LinkedIn
  • MySpace
  • Netvibes
  • StumbleUpon
  • Tumblr
  • Twitter