busca no site


Códigos e papeis de gênero: um estudo de psicologia social como metassemiótica

Resumo/Abstract

Joao Wachelke

Priscilla Martins Dornelas

Raianne Silva Calixto

Jéssica Bruna Borges Pereira

resumo

A psicologia social visa a relacionar fatores da sociedade com padrões de pensamento. A partir do entendimento de que essa disciplina pode ser concebida como uma metassemiótica voltada para semióticas conotativas e fundamentado na semiótica dos códigos, o trabalho apresenta uma pesquisa de levantamento de dados acerca de papeis de gênero para adultos de Uberlândia-MG. Os participantes foram mil adultos entrevistados em locais públicos acerca de traços, práticas de lazer e tarefas domésticas atribuídas aos gêneros masculino e feminino. Padrões estatísticos (clusters) permitiram identificar conflitos entre um código tradicional biologicista predominante e outro voltado para a construção social, ligado a faixas etárias mais jovens. Problematiza-se a dinâmica dos códigos de gênero e sugere-se a contribuição da psicologia social para avaliação de propriedades sócio-históricas dos códigos, entendendo que o fenômeno psicossocial pode ser abordado de modo frutífero como fenômeno de significação.

Palavras-chave: Códigos. Papeis de gênero. Gênero. Papeis sociais. Metassemiótica.

 

abstract

Social psychology aims at assessing relationships between societal factors and patterns of thinking. Departing from the understanding that such discipline may be conceived as metasemiotics concerning connotative semiotics and based upon the semiotics of codes, the work presents a survey study about gender roles for adults from Uberlandia – MG. The participants were a thousand adults interviewed in public sites about the traits, leisure practices and domestic work attributed to the male and female genders. Statistical patterns (clusters) made it possible to identify conflict between a prevailing traditional biology-centered code and another one directed towards social construction, linked to younger age ranges. The dynamics of gender codes are discussed and it is suggested that social psychology can contribute to the evaluation of socio-historic properties of codes, with the view that the psychosocial phenomenon may be framed in a fruitful way as a signification phenomenon.

Keywords: Codes. Gender roles. Gender. Social roles. Metassemiotics.

Paper / PDF

Download PDF

Referências

Referências

AMÂNCIO, L. As assimetrias nas representações de gênero. Revista Crítica de Ciências Sociais, v. 34, p. 9-22, 1992.

AMÂNCIO, L. Identidade social e relações intergrupais. In: VALA, J.; MONTEIRO, M. B. (Orgs.) Psicologia social. 6ª ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2004. p. 387-409.

BARROS, M. C.; NATIVIDADE J. C.; HUTZ, C. S. Construção e validação de uma medida de papéis de gênero. Avaliação Psicológica, v. 12, n. 3, p. 317-324, 2013.

BEAUVOIR, S. O segundo sexo: fatos e mitos. 4ª ed. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1970.

BEM, S. L. The measurement of psychological androgyny. Journal of Consulting and Clinical Psychology, v. 42, n. 2, p. 155-162, 1974.

BERK, R. A.; FREEDMAN, D. A. Statistical assumptions as empirical commitments. In: BLOOMBERG, T. G.; COHEN, S. (Orgs.). Law, punishment, and social control: essays in honor of Sheldon Messinger. 2ª. ed.. Nova Iorque: Aldine de Gruyter, 2003, p. 235-254.

BLAY, E. A. (1975). Trabalho industrial x trabalho doméstico. A ideologia do trabalho feminino”. Cadernos de Pesquisa. v. 15, p. 8-17, 1975.

BOURDIEU, P. Outline of a theory of practice. Cambridge: Cambridge University Press, 1977.

BOURDIEU, P. A dominação masculina. 10ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2011.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. 16ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CRAVO, A. C. A. Brincadeiras infantis e construção das identidades de gênero. (Dissertação de Mestrado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador: 2006.

DOISE, W.; CLEMENCE, A.; LORENZI-CIOLDI, F. Représentations sociales et analyse des données. Grenoble: PUG, 1992.

EAGLY, A. H.; WOOD, W.; DIEKMAN, A. B. Social role theory of sex differences and similarities: a current appraisal. In: ECKES, T.; TRAUTNER, H. M. (Orgs.). The developmental social psychology of gender. Nova Iorque: Psychology Press, 2000, p. 123-174.

 

ECO, U. A estrutura ausente: Introdução à pesquisa semiológica. 7ª ed. São Paulo: Perspectiva, 2001.

ECO, U. Tratado geral de semiótica. 4ª ed. São Paulo: Perspectiva, 2005.

FERREIRA, M. C. Questionário estendido de atributos pessoais: Uma medida de traços femininos e masculinos. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 11, n. 2, p. 155-161, 1995.

FLAMENT, C.; GUIMELLI, C.; ABRIC, J.-C. Éffets de masquage dans l’expréssion d’une représentation sociale. Cahiers Internationaux de Psychologie Sociale, n. 69, p. 15-31, 2006.

FOUCAULT, M. História da sexualidade II: o uso dos prazeres. São Paulo: Edições Graal, 2005.

GARCIA-MARQUES, L. O inferno são os outros: o estudo da influência social. In: J. VALA; M. B. Monteiro (Orgs.). Psicologia social. 4ª ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2000, p. 227-292.

GOWER, J. C. A general coefficient of similarity and some of its properties, Biometrics, v. 27, n. 4, p. 857-871, 1971.

HJELMSLEV, L. Prolegômenos a uma teoria da linguagem. 2ª ed. São Paulo: Perspectiva, 2003.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa nacional por amostra de domicílios: Práticas de esporte e atividade física – 2015. Rio de Janeiro: IBGE, 2017.

JABLONSKI, B. A divisão de tarefas domésticas entre homens e mulheres no cotidiano do casamento. Psicologia Ciência e Profissão, v.  30, n. 2, p. 262-275, 2010.

KASSAMBARA, A. Practical guide to cluster analysis in R: Unsupervised machine learning. STHDA, 2017.

LAQUEUR, T. Orgasm, generation, and the politics of reproductive biology. In: C. GALLAGHER, C. (Org.) Making of the modern body. Berkeley: University of California, 1986, p. 1-42.

LORUSSO, A. M. Cultural semiotics: for a cultural perspective in semiotics. Hampshire: Palgrave Macmillan, 2015.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes, 1997.

MACHADO, M. D. C. O discurso cristão sobre a “ideologia de gênero”. Revista Estudos Feministas, v. 26, n. 2, e47463, 2018.

MAECHLER, M.; ROUSSEEUW, P.; STRUYF, A.; HUBERT, M.; HORNIK, K. Cluster: cluster analysis basics and extensions. R package version 2.1.0. 201. [on-line] Disponível em: https://cran.r-project.org/web/packages/cluster/ Acesso em 20/07/2019.

MARCELLINO, N. C. Algumas aproximações entre lazer e sociedade. Revista Iberoamericana Lazer e Sociedade, v. 1, n. 2, p. 1-20, 2007.

MARKOVÁ, I. Dialogicidade e representações sociais: as dinâmicas da mente. Petropólis. Rio de Janeiro: Vozes, 2006.

MÉNDEZ, N. P. Do lar para as ruas: capitalismo, trabalho e feminismo. Mulher e Trabalho, v. 5, p. 51-63, 2005.

MISKOLCI, R.; CAMPANA, M. “Ideologia de gênero”: notas para a genealogia de um pânico moral contemporâneo. Sociedade e Estado, v. 32, n. 3, p. 725-747, 2017.

MOSCOVICI, S. La psychanalyse: son image et son public. Paris: PUF, 1976.

MOSCOVICI, S.; VIGNAUX, G. Le concept de thêmata. In: GUIMELLI, C. (Org.) Structures et transformations des représentations sociales. Lausanne: Delachaux et Niestlé, 1994, p. 25-72.

NETO, F. S. A.; COSTA, M. S.; HELAL, D. H. Relações de trabalho e gênero: aspectos da desigualdade no mercado de trabalho brasileiro. Cadernos de Estudos Sociais, v. 31, n. 1, p. 61-82, 2016.

OLIVEIRA, J. M.; AMÂNCIO, L. Liberdades condicionais: o conceito de papel sexual revisitado. Sociologia, Problemas e Práticas, v. 40, p. 45-61, 2002.

PEIRCE, C. S. Semiótica. 3ª ed. São Paulo: Perspectiva, 2000.

POESCHL, G. Desigualdades da divisão do trabalho familiar sentimento de justiça e processos de comparação social. Análise Psicológica, v. 28, n. 1, p. 29-42, 2010.

PONCIANO, E. L.; FÉRES-CARNEIRO, T. Modelos de família e intervenção terapêutica. Interações, v. 8, n. 16, p. 57-80, 2003.

R CORE TEAM. R: A language and environment for statistical computing, 2019. [on-line] Disponível em: https://www.R-project.org/. Acesso em 20/07/2019.

SCOTT, J. W. Gender: a useful category of historical analyses. The American Historical Review, v. 91, n. 5, p. 1053-1075, 1986.

SPENCE, J. T.; HELMREICH, R. L.; HOLAHAN, C. K. Negative and positive components of psychological masculinity and femininity and their relationships to self-reports of neurotic and acting out behaviors. Journal of Personality and Social Psychology, v. 37, p. 1673-1682, 1979.

VILLAS-BOAS, S.; OLIVEIRA, C. S.; LAS HERAS, S. Tarefas domésticas e gênero: representações de estudantes do ensino superior. Ex Aequo, v. 30, p. 113-129, 2014.

 

  • RSS
  • email
  • Digg
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Google Bookmarks
  • LinkedIn
  • MySpace
  • Netvibes
  • StumbleUpon
  • Tumblr
  • Twitter
 فروش فایل آگهی رایگان