busca no site


O uso da significação como estratégia no design: estudo de caso em três contextos distintos

Resumo/Abstract

Camilo Belchior

Edson José Carpintero Rezende

Resumo

O resumo.

Palavras-chave: Design. Significação. Estratégia.

Abstract

O presente artigo busca refletir sobre as possíveis relações que existem entre o design, os processos de inovação, o conceito de estratégia e as relações sígnicas do design. Para alcançar este objetivo, partiu-se da compreensão de um processo que se inicia na inovação, passa pela estratégia até chegar ao design. Por fim, são apresentados exemplos de casos em três contextos distintos, que podem fornecer elementos para melhor compreensão das relações entre a significação no design e o design estratégico.

Keywords: Design. Meaning. Strategy.

Paper / PDF

Download PDF

 

Bibliografia

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

AGUIAR, Wanda; OZELLA, Sergio. Núcleos de significação como instrumento para a apreensão da constituição dos sentidos. Revista Psicologia, Ciência e Profissão, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, pags. 222-245, 2006.

AZEVEDO, Wilton. Os signos do design. 2ed. São Paulo, Global, 1996.

BATTISTELLA, Cinzia; BIOTTO, Gianluca; TONI, Alberto F. De. From design driven innovation to meaning strategy, Decision Management, Vol. 50 Iss:. 4 pp. 718-743, 2012. DOI: 10.1108/00251741211220390.

BARROS, Bruno. Design como linguagem, design como retórica. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM DESIGN, 8., 2008, São Paulo. Anais. São Paulo: AEND Brasil, 2008. p. 1446-1453. Disponível em: <http://ilustrebob.com.br/wp-content/uploads/ped08-design_como_linguagem.pdf>.

BENSE, Elisabeth W. A teoria geral dos signos: introdução aos fundamentos da semiótica. São Paulo, Perspectiva, 2010.

BUCHANAN, Richard. Declaration by design: argument, and demonstration in design practice. In: MARGOLIN, Victor (Org.). Design discourse: history, theory, criticism. London & Chicago: The University of Chicago Press, 1989. p. 23-27.

BURDEK, Bernhard E. História, teoria e prática do design de produtos. São Paulo, Edgar Blucher, 2006.

CLAUSEWITZ, Carl Von. Da guerra. São Paulo: Tahyu, 2005.

DEMIR, E.; DESMET, P.; HEKKERT, P. 2009. Appraisal Patterns of Emotions in Human-Product Interaction. International Journal of Design, 3(2):41-51.

DESERTI, A; RIZZO, F. Design and the Cultures of Enterprises.  Massachusetts Institute of Technology. DesignIssues: v. 30, n. 1 Winter 2014.

DOUGLAS, M ISHERWOOD, B. O mundo dos bens: para uma antropologia do consumo. Rido de janeiro, Editora UFRJ, 2009.

EGGINK, Wouter. Designing meaning: The Rules of Unruly Design. University of Twente – Product Design, Version 15 June 2015.

FRANKEL, Lois; RACINE, Martin. The Complex Field of Research: for Design, through Design, and about Design. Design Research Society (DRS) international conference Design & Complexity to be held July 7-9, 2010 in Montreal (Quebec), Canada, at the School of Industrial Design, Université de Montréal, 2010. Disponível em: http://www.drs2010.umontreal.ca/data/PDF/043.pdf

FRANZATO, Carlo. O design estratégico no diálogo entre cultura de projeto e cultura de empresa. Strategic Design Research Journal, v.3, n3, p. 89-96 set-dez 2010.

GRANT, R.M. The Resourse-Based Theory of Competitive Advantage: Implications for Strategy Formulation in California Management Review, pg. 114 – 135, Spring, 1991. Disponivel em: http://www.csn.ul.ie/~karen/Articles/Grant1_NB.pdf . Acesso em 02/12/2017.

KRIPPENDORFF, Klaus. Discourse and the Materiality of Its Artifacts. In T. R. Khun (Ed.), Maters of communication: political, cultural, and technological challenges to communication theorizing. New York: Hampton Press. Retrieved p. 23-4. Disponível em: htp://repository.upenn.edu/asc_papers/259, 2011. Acesso em 02/12/2017.

KRIPPENDORFF, Klaus. On the Essential Contexts of Artifacts or on the Proposition That “Design Is Making Sense (Of Things)”, Design Issues, vol. 5, no. 2, pp 9–39, 1989.

LURIA, A. Pensamento e linguagem. As últimas conferências de Luria. Porto Alegre, Artmed,2001.

MARGOLIN, Victor. Design Discourse: History, Theory, Criticism. Chicago: The University of Chiacago Press, 1989.

MEDIGO, Victor F. A revolução do design: conexões para o século XXI. São Paulo, Editora Gente, 2016.

MILLER, Daniel. Trecos, troços e coisas: estudos antropológicos sobre a cultura material. Rio de Janeiro, Zahar, 2013.

MOZOTA, Brigitte Borja de; KLÖPSCH, Cássia; COSTA, Filipe Campelo Xavier da. Gestão do design: usando o design para construir valor de marca e inovação corporativa. Porto Alegre: Bookman, 2011.

NIEMEYER, Lucy. Semiótica no design. Rio de Janeiro, 2008. Disponível em: <http://espaco.com/design/semiotica-no-design/>.

PINO, Angel L.B. Processos de significação e constituição do sujeito. Temas psicológicos. Ribeirão Preto, v. 1, n. 1, p. 17-24, abr. 1993.   Disponível em <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-389X1993000100004&lng=pt&nrm=iso>. acessos em 01 jun.  2018.

PORTER, Michel. Vantagens competitivas. Rio de Janeiro: Campus, 2011.

SANTAELLA, Lucia. A teoria geral dos signos: como as linguagens significam as coisas. 2ª Ed. São Paulo: Pioneira, 2004.

TZU, Sun. A arte da guerra. Ed. Martins Fontes, 2002.

THOMPSON, John B. Ideologia e cultura moderna: teoria social crítica na era dos meios de comunicação de massa. Petrópolis: Vozes, 2011.

VERGANTI, Roberto. Design-driven innovation: mudando as regras da competição – a inovação radical do significado de produtos. São Paulo: Canal Certo, 2012.

VYGOTSKY, L.S. The Collected Works of LS. Vygotsky.  Problems of General Psychology, v.1, N.Y.: Plenum Press, 1987.

 

  • RSS
  • email
  • Digg
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Google Bookmarks
  • LinkedIn
  • MySpace
  • Netvibes
  • StumbleUpon
  • Tumblr
  • Twitter