busca no site


Semioses afetivas do timbre: formulação teórica para uma análise de sonoridades do rock independente brasileiro

Resumo / Abstract

Grupo de Pesquisa Sonoridades, Imagem, Materialidades da Comunicação e Cultura

Marcelo Bergamin Conter

Resumo

Considerando o papel central que o timbre exerce no rock independente e as limitações sociais e econômicas dos músicos brasileiros, pretende-se formular uma abordagem teórica para reconhecer como o timbre constitui afetivamente políticas de singularização e de movimentos minoritários no gênero musical em questão. Propõe-se observá-lo através de um modelo comunicacional imanente. Seguindo a filosofia da diferença de Deleuze, em vez de ser um transmissor de emoções, o timbre é aqui apresentado tanto como um evento (o resultado de uma mistura de corpos) como um corpo transformado (afeto), não se reduzindo assim apenas a sua forma atual. A máquina sociotécnica que permite que ele se atualize e os desdobramentos afetivos (semioses) que expandem sua virtualidade também devem ser considerados. Aponta-se para os modos pelos quais a precariedade, a antropofagia, as gambiarras e outras micropolíticas típicas do rock independente brasileiro são expressadas afetivamente através do timbre, engendrando novos mundos sônicos.

Palavras-chave: Comunicação. Afeto. Semiótica. Timbre. Rock independente.

Abstract

Considering the central role that timbre exerts in indie rock and the social and economic disadvantages of Brazilian musicians, this paper aims to formulate a theoretical approach that will allow further analysis of how timbre affectively constitutes politics of singularization and of minor movements. It is proposed that timbre might be observed through an immanent communicational model. Following Deleuze’s philosophy of difference, instead of a transmitter of emotions, timbre is presented both as an event (the result of a mixture of bodies) and as a transformed body (affect). The technical social machine that allows it to achieve its actual form, and the affective unfolding (semiosis) that expand timbre’s virtuality must also be taken accounted for. As results, it is expected to evidence semiotic machines that derives from timbre, in which precarity, cultural anthropophagy, gambiarras and other typical micropolitics of Brazilian indie rock are affectively expressed, engendering new sonic worlds.

Keywords: Media studies. Affect. Semiotics. Timbre. Indie rock.

Paper / PDF

Download PDF

Bibliografia

Referências

ARAUJO, André Corrêa da Silva de. Deleuze e o problema da comunicação. (Tese de Doutorado em Comunicação e Informação). Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2020.

AZERRAD, Michael. Our band could be your life: scenes from the american indie underground 1981-1991. New York: First Back Bay, 2002.

BENNETT, Samantha. Time-based Signal Processing and Shape in Alternative Rock Recordings. IASPM@Journal. Vol. 6. no. 2. 2016. p. 3-21.

BERGSON, Henri. Memória e vida. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

BLAKE, D. K. Timbre as differentiation in indie music. Music Theory Online, vol. 18, n. 2, 2012. Disponível em: http://mtosmt.org/issues/mto.12.18.2/mto.12.18.2.blake.php. Acesso em 2 Jan. 2018.

CONTER, Marcelo B. LO-FI: Música pop em baixa definição. Curitiba: Appris, 2016.

CONTER, Marcelo B.; SARTORI, P. Práticas composicionais, micro cenas e o retorno do passado tecnocultural na música eletrônica gaúcha. IN: AMARAL et. al. (Orgs.). Mapeando cenas da música pop: materialidade, redes e arquivos. Vol. II. João Pessoa: Marca de fantasia, 2019. p. 91-113.

CONTER, M. B.; TELLES, M.; ROCHA, A. Semiótica das afecções: uma abordagem epistemológica. Conjectura: Filosofia e Educação. Caxias do Sul, v. 22, n. especial, p. 36-48, 2017.

DELEUZE, Gilles. Spinoza e as três éticas. In: DELEUZE, G. Crítica e clínica. Rio de Janeiro: Editora 34, 2011, p. 177-193.

______. Lógica do Sentido. São Paulo: Perspectiva, 2007. 342 p.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs – capitalismo e esquizofrenia 2, vol. 1. São Paulo: Ed. 34, 2011.

______. Mil Platôs – capitalismo e esquizofrenia 2, vol. 5. São Paulo: Ed. 34, 2008.

DE MARCHI, Leonardo. A destruição criadora da indústria fonográfica brasileira, 1999-2009. Dos discos físicos ao comércio digital de música. Rio de Janeiro: Folio Digital, 2016.

FINK, Robert; WALLMARK, Zachary; LATOUR, Melinda. Introduction–Chasing the dragon: in search of tone in popular music. IN: FINK, Robert; LATOUR, Melinda; WALLMARK, Zachary (Orgs.) The relentless pursuit of tone: timbre in popular music. Nova Iorque: Oxford University Press, 2018. p. 1-17.

FONAROW, Wendy. Empire of dirt: the aesthetics and rituals of british indie music. Middletown: Wesleyan University Press, 2006.

FONSECA, Rafael Sânzio Nunes. A cena musical indie em belo horizonte: Novos padrões de carreira no interior de uma cena local. (Dissertação de Mestrado em Sociologia). Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2011.

GARLAND, Shannon. Trocando ideias musicais: a sociabilidade da circulação na música carioca independente nos anos 1990. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, Brasil, n. 73, p. 47-63, ago. 2019.

GOODMAN, Steve. Sonic Warfare: sound, affect, and the ecology of fear. Cambridge: MIT, 2012.

GUIGUE, Didier. Estética da sonoridade: a herança de Debussy na música para piano do século XX. São Paulo: Perspectiva, 2011.

GUMES, Nadja Vladi Cardoso. A música faz o seu gênero: Uma reflexão sobre a importância das rotulações para a compreensão do indie rock. (Tese de Doutorado em Comunicação e Cultura), Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2011.

HEMMINGS, Clare. Invoking Affect: cultural theory and the ontological turn. Cultural Studies. Vol. 19, no 5.pp. 548-567. Disponível em:

http://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/09502380500365473.  Acesso em 19 nov. 2014.

MARTINI, F. G. Platina: transmetodologia radical e escutas poéticas musicais entre Porto Alegre e Montevidéu. (Tese de Doutorado em Comunicação). Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2018.

MASSUMI, Brian. Parables for the virtual: movement, affect, sensation. Duke University Press, Durham & London, 2002.

MAZZARELLA, William. Affect: what is it good for? In: DUBE, Saurabh (Org.). Enchantments of Modernity: Empire, Nation, Globalization. New York: Routledge, 2009. p. 291-309.

MENEZES, Flo. A acústica musical em palavras e sons. Cotia: Ateliê Editorial, 2003.

NUNES, Caroline Govari. “Duas notas chegam para mim. Dois acordes repetidos sem fim”: A constituição musical, midiática e identitária do rock gaúcho na década de 1980. (Tese de Doutorado em Ciências da Comunicação) Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação, Universidade do Vale do Rio dos Sinos – UNISINOS. São Leopoldo, 2020.

OAKES, Kaya. Slanted and enchanted: The evolution of indie culture. Nova Iorque: Holt, 2009.

REYNOLDS, Simon. Rip it up and start again: post-punk 1978-1984. London: Penguin books, 2006.

ROCHA, Ane Talita da Silva. Contruindo desejos e diferenças: uma etnografia da cena indie rock paulistana. (Dissertação de Mestrado em Antropologia Social). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

SEIGWORTH, Gregory J.; GREGG, Melissa. An inventory of shimmers. In: GREGG, M.; SEIGHWORTH, G. (Orgs.). The affect theory reader. Durham: Duke University Press, 2010. p. 1-25.

SHANK, Barry. The political force of musical beauty. Durham & London: Duke University Press, 2014.

SILVEIRA, Fabrício. Rupturas instáveis: entrar e sair da música pop. Porto Alegre: Libretos, 2013.

SPINOZA, Benedictus de. Ética. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2017.

WISNIK, José Miguel. O som e o sentido: uma outra história das músicas. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

 

 

 

  • RSS
  • email
  • Digg
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Google Bookmarks
  • LinkedIn
  • MySpace
  • Netvibes
  • StumbleUpon
  • Tumblr
  • Twitter
 فروش فایل آگهی رایگان